sábado, 19 de março de 2016

PR2 - No trilho dos Romanos

No dia 19 de Março, mesmo com previsões de chuva, arriscámos e pusemo-nos ao caminho em direcção a Pedrógão Grande.


Iríamos efectuar o PR2- Trilho dos Romanos, que segundo as nossas pesquisas era de 7 Km. No placard informativo que se encontrava na estrada principal constava um percurso de cerca de 1 km originando que no decorrer da caminhada ficássemos um pouco baralhados, pois o Trilho dos Romanos iria apenas até à Ponte Filipina, a partir daí diluir-se-ia na GR33 – Grande Rota do Zêzere e após a barragem do Cabril, no PR3 – No Cabeço das Mós.


Junto ao Santuário Nossa Senhora dos Milagres, não havia qualquer informação do caminho a seguir, só após deambularmos algum tempo dentro do espaço da capela é que descobrimos que devíamos seguir uns 100 m pela estrada de alcatrão que tínhamos à direita, para encontrarmos depois a Calçada Filipina que nos levaria até à Ponte. 

O primeiro ponto de interesse foi um miradouro em madeira que nos fornecia um excelente panorama sobre o Rio Zêzere, que corria numa acalmia aparente, por entre enormes rochedos, após a sua passagem pela Barragem do Cabril.

No local onde encontrámos a Grande Rota do Zêzere, fizemos um desvio para visitar o Penedo do Granada, com uma fantástica varanda para o Zêzere, um local onde se sente muito silencio e muita paz, que convida a permanecer e a meditar. 

Seguindo as marcações da Grande Rota, chegámos à Ponte Filipina, já nossa conhecida do PR2 SRT – Trilho do Zêzere Caminho do Xisto de Pedrógão Pequeno II, iniciando depois a dolorosa subida pela calçada até à aldeia de xisto de Pedrogão Pequeno, onde almoçámos e tomámos café, para depois continuarmos a caminhada até à Capela de Nossa Senhora da Confiança.

Ao longe avistavam-se as nuvens negras, fazendo adivinhar que a chuva não tardaria a cair, e quando chegámos ao recinto da capela já chovia abundantemente. 

Após alguns minutos resguardados num telheiro que estava munido com mesas e bancos de picnic, visitámos o local e iniciámos a descida para a barragem, efectuando um desvio para apreciar a vista a partir do miradouro sobre a pedreira, de onde foi retirada a pedra (granito) para a construção da barragem. 

Passando a Barragem e como a chuva não nos dava tréguas, resolvemos deixar a última parte do percurso para outra oportunidade, visto já contarmos com cerca de 10 km, ao invés dos 7 km que constavam nas indicações dos folhetos que encontrámos.

A parte final foi efectuada pela Estrada Nacional que nos levou ao Santuário Nossa Senhora dos Milagres já com cerca de 12 Km percorridos e todos encharcados.

Mapa do Percurso