sábado, 27 de fevereiro de 2016

PR1 - Guardiões do Planalto - Moreira de Rei

As previsões atmosféricas para o fim-de-semana não eram nada animadoras, eram de chuva e vento forte, frio e queda de neve, levando-nos a reconsiderar por várias vezes se seria boa ideia sair de casa.


Foi debaixo de chuva torrencial que nos pusemos ao caminho em direção a Trancoso, com alguma ansiedade, não fosse a neve trancar-nos o caminho, ao mesmo tempo que outro sentimento contraditório nos causava alguma euforia, a possibilidade de vermos nevar ou simplesmente estarmos em contacto com a neve, algo que não acontece com frequência na nossa zona.

A Serra do Caramulo apresentava um manto branco em toda a sua extensão, deixando no nosso horizonte uma paisagem muito diferente daquela que se vislumbra habitualmente.

Aos poucos a chuva foi-nos dando tréguas, e foi já com o sol por companhia que chegámos ao destino, sempre com a espectativa de sermos brindados com alguns flocos de neve, ao longo do fim de semana.

Com o sol a brilhar, mas com uma temperatura de 2ºC, dirigimo-nos a Moreira de Rei, uma aldeia medieval do concelho de Trancoso, onde iríamos efetuar parte do percurso PR1 – Guardiões do Planalto. Por ser de 21 Km e dada a instabilidade do tempo e a hora já um pouco tardia, iniciámos em Moreira de Rei usando a variante PR1.1.

Iniciando o percurso junto à Igreja de Santa Maria, visitámos a aldeia, passando pelos monumentos mais emblemáticos, como o Pelourinho e a Igreja de Santa Marinha que é uma das maiores necrópoles de Portugal. No seu largo existem cerca de 150 sepulturas escavadas na rocha, a derradeira morada dos habitantes dos tempos medievais.

Após a passagem pela aldeia, visitámos o que resta do castelo, local privilegiado donde se presenciam os blocos graníticos, aglutinados de forma mais ou menos caótica, formando uma paisagem fabulosa.

Ladeando o Castelo, começámos a descer por entre enormes blocos graníticos, passando pelas localidades de Casas e Golpar, que pareciam estar praticamente desertas, pois em cerca de 11 km apenas conseguimos ver 2 pessoas.

A partir de Golpar iniciámos a subida até ao planalto, atravessando o parque eólico. Mesmo com algum esforço físico o frio fazia-se sentir, apresentando alguns montículos de neve ao longo do percurso.

Atingindo a Cabecinha, local mais alto da serra onde está o vértice geodésico, iniciámos a descida até Moreira de Rei, presenciando ao longo do caminho, além da paisagem espetacular vários núcleos de sepulturas e lagares rupestres.

Findo o percurso, regressámos a Trancoso onde iríamos pernoitar e jantar na 13ª Feira do Fumeiro, dos Sabores e do Artesanato do Nordeste da Beira. Mas antes fomos contemplados com a grande atracão do fim-de-semana, uma pequena queda de neve brindou-nos com a sua presença fazendo as nossas delícias e vindo de encontro às nossas expectativas.

Mapa do Percurso