sábado, 6 de dezembro de 2014

PR1 - Rota dos Laranjais - Tondela - Caramulo

No primeiro fim de semana de Dezembro, Nenuco e Pastelita optaram por conhecer um pouco mais da Serra do Caramulo, para tal rumaram ao concelho de Tondela, mais precisamente à localidade de Castelões onde efectuaram a Rota dos Laranjais

Iniciando-se na Ermida Coração de Maria, em Castelões, a Rota dos Laranjais foi um percurso que nos surpreendeu pela positiva, durante cerca de 8 km passamos por pequenas aldeias, muito ricas em história e tradições, serpenteando a Ribeira de Castelões com diversos moinhos nas suas margens e extensos laranjais alinhados em socalcos, sendo toda a zona envolvida numa mescla de amarelos, castanhos e vermelhos de Outono originando um cenário simplesmente fantástico. 

Junto da placa de início de percurso começámos a descer pelo “circuito de manutenção”, numa descida íngreme com grandes lages de pedras escorregadias, que originaram uma queda logo nos primeiros metros. Terminada a descida embocámos na estrada de alcatrão que atravessámos, apanhando de imediato umas escadinhas de pedra para irmos de encontro à Ribeira de Castelões, no lugar de Eiras, onde desviámos para ir ao Poço Silveira, local onde se formam pequenas mas bonitas quedas de água, um açude, moinhos de água, a Fonte do Chafurdo e um pouco mais a Norte da localidade a Fonte Funda.

Seguindo o Caminho Fundo chegámos à localidade de Quintal, devendo-se este nome à família de Antero de Quintal que por ali passou, onde visitámos a Capela de Nossa Senhora da Conceição e as casas brasonadas, para subirmos o Caminho do Povo até à Quinta da Cruz, com uma bonita casa apalaçada, agora em ruínas, mas onde se encontra ainda bem visível o brasão e uma pequena capela. Neste terreiro podemos ainda observar um imponente eucalipto centenário com um tronco com um perímetro de cerca de 12 metros.

Subimos agora entre muros de granito até ao Cruzeiro junto ao parque de S. Lourenço, descendo de seguida até Vila de Rei onde visitámos o Cruzeiro e a capela de Santo António, seguindo a estrada de alcatrão até atingirmos de novo o Parque de S. Lourenço, local eleito para degustarmos o nosso magnífico farnel, iniciando de seguida a íngreme subida até Figueiral, onde foi reedificada a Capela de S. Simão, à custa das esmolas de 23 vizinhos.

Continuando o caminho surge o local em que podemos fazer um desvio e visitar a Central Hidroeléctrica do Figueiral, local privilegiado com diversas quedas de água, dando por bem percorridos os cerca de 500 metros para cada lado, em declive bastante acentuado. Vencida a violenta subida, regressámos ao nosso percurso por caminhos estreitos, cobertos de folhas secas, onde foram colocadas em alguns lugares protecções em madeira para segurança do caminheiro. Junto à ribeira avistavam-se ruínas de antigos moinhos revestidos de musgo e junto ao trilho pequenos cursos de água furam as pedras formando bicas que nos salpicam à passagem. Todo este espectacular conjunto de penedos por entre folhas secas na parte inicial deste trilho, como em seguida os socalcos dos laranjais que dão o nome ao percurso, seguros e limitados por muros de pedra, tal como todo este colorido outonal e as abundantes laranjeiras nesta altura carregadas de frutos, fazem com que nos transportemos para as florestas encantadas dos contos de fadas.

Chegados ao local onde transpomos a Ribeira, surge-nos uma cascata em escadaria de uma beleza extrema, seguindo depois ao longo de uma levada que transporta a água da rega, para os campos de cultivo, apreciando alguns moinhos que se encontram entre esta e a ribeira, sempre com o colorido dos citrinos que são uma constante durante todo o percurso, e desta feita, efectuámos o desvio para conhecermos a Igreja Matriz, a Igreja do Santíssimo Salvador, para depois retomarmos o caminho junto a uma fonte com um bonito painel de azulejos, onde através das ruas da localidade regressámos ao ponto de partida, o Santuário do Coração de Maria, bastante felizes pois este percurso superou em grande parte as nossas expectativas.

Mapa do Percurso