sábado, 19 de novembro de 2016

PR5 - Trilho das Minas - Gois

Uma vez mais, deslocámo-nos à Vila de Góis para efectuar outro percurso da rede de percursos pedestres do concelho.

Já tínhamos efectuado o PR1 - Caminho do Xisto das Aldeias de Góis em 01/11/2014 e PR3 - Trilho do Vale do Ceira I em 26/11/2014. Íamos agora percorrer o PR5 – Trilho das Minas 

Iniciámos o percurso junto da Capela do Mártir S. Sebastião, a poucos metros da Ponte Real sobre o Rio Ceira. Atravessámo-la, continuando pela Rua Conselheiro Dias Ferreira até à Praça da Republica, onde está localizada a Câmara Municipal.

Pela Rua da Quinta chegámos ao Largo Francisco Inácio Dias Nogueira, onde fica situado o Posto de Turismo, aproveitando para obter mais algumas informações acerca dos restantes percursos pedestres do concelho.

Depois de visitarmos a Igreja da Misericórdia, o Fontanário do Pombal e a Cisterna, seguimos pela Rua António Francisco Barata até à Igreja Matriz, onde está o túmulo de D. Luis da Silveira (Sr. de Góis).

Ladeando campos de cultivo, iniciámos a subida, passando pelas minas de extracção de volfrâmio, que deu o nome a este percurso. Esta actividade ocorreu entre 1920 e 1940.

Subindo por entre mimosas, atravessámos a estrada 543, percorrendo alguns metros pelo alcatrão, continuando depois a subida do Monte do Rabadão. Da encosta, vislumbra-se uma magnifica vista sobre o Vale do Ceira e a Vila de Góis.

Iniciando a descida, o trilho passa perto da Espada de Santiago, embora não tenhamos a perceção do local exato durante o trajeto. Este símbolo esculpido na vegetação, homenageia os peregrinos que percorrem os caminhos de Santiago.

Continuando o percurso, agora numa descida muito íngreme e pedregosa, passámos junto da mina que abastece a Fonte do Pombal, para depois voltarmos a cruzar a estrada 543.

Após a travessia da estrada, seguimos um trilho por entre um souto secular, entrando na vila pela Rua das Padeiras e por conseguinte, novamente no Largo do Pombal (Largo Francisco Inácio Dias Nogueira).

Após uma visita mais demorada à Igreja da Misericórdia, visitámos também uma exposição/venda de produtos de artesanato (Preludio de Natal), com uma mostra de trabalhos de artesãos locais. Continuámos a caminhada pela Rua Lavra de Baixo, passando em frente aos Bombeiros, seguindo a Avenida Combatentes do Ultramar. 

Apanhando depois uma transversal que vai de encontro ao Rio Ceira percorremos a sua margem pela Avenida Eng.º Álvaro de Paula Dias Nogueira, onde foram colocadas mesas e cadeiras de cimento, transformando aquela zona num agradável e apelativo parque de merendas junto ao rio.

Passando por baixo da Ponte Real, passeámo-nos pela Praia Fluvial, que é o maior atractivo da Vila nos dias estivais, voltando depois para a outra margem.

De volta das nossas sandochas, numa mesinha de madeira junto da estrada principal, terminámos assim este belíssimo percurso, com cerca de 6 Km percorridos.

Como já vai sendo hábito, ficámos bastante satisfeitos, pois vimos com outros olhos algo que já conhecíamos, ficando com a certeza que de uma próxima vez, ainda haverá muito mais para descobrir.


Mapa do Percurso