sexta-feira, 8 de agosto de 2014

Parque Nacional Peneda/Gerês – Gerês

A estadia no Parque Peneda/Gerês estava a acabar, foi com alguma nostalgia que Nenuco e Pastelita abandonaram o Parque de Campismo de Entre Ambos os Rios, pois ainda tanto ficou por ver…

Com o céu muito cinzento e a ameaçar chover seguimos até à fronteira do Lindoso, saindo assim de Portugal para voltarmos a entrar pela fronteira da Portela do Homem, assim ficaríamos a conhecer mais um bocadinho do país vizinho.

Visitando algumas localidades, nomeadamente a de Britelo, seguimos em direcção a Lobios onde visitámos uma villa romana, quilómetros antes de encontrarmos a estância termal na localidade de Bubaces, onde uma piscina de água quente faz as delícias dos visitantes e onde o rio, o Rio Caldo, apresenta pontos de água quente. Um pouco por todo rio era comum verem-se pequenos “jacúzis” aproveitando as águas para fins medicinais ou apenas para desfrutar daquela maravilha da natureza.

Abandonando este lugar, seguimos em direcção à fronteira da Portela do Homem, onde uma placa tinha a indicação: “zona de transito condicionado, sujeito a taxa de acesso, prepare pagamento de 1,50€”, e não houve alternativa, tivemos mesmo que pagar para entrar em Portugal, o que nos parece ser um cartão de visita um pouco desagradável para quem entra no país, mesmo que a finalidade seja preservar a Mata de Albergaria, tendo em conta que as alternativas estão a bastantes quilómetros de distancia.

Fomos fortemente compensados com a paisagem natural fabulosa que nos envolvia, passando por diversas cascatas, lagoas, fontes, animais, etc… de uma beleza incrível. Praticamente sem nos apercebermos, passámos a Vila do Gerês e chegámos à Albufeira da Caniçada em Vilar da Veiga. Esta albufeira situada no rio Caldo originava com que quiséssemos permanecer naquele local e usufruir de todas as suas potencialidades. Da ponte avistávamos uma grande variedade de barcos de recreio, testemunhava-se a prática de vários desportos náuticos ou simplesmente se viam pessoas que desfrutavam da Praia Fluvial de Alqueirão, mas impunha-se o regresso a casa, ainda havia um longo caminho a percorrer. Atravessar o Porto em plena hora de ponta foi uma verdadeira aventura para quem gosta de desfrutar da acalmia da natureza, mas no final tudo correu bem, apenas ficando já uma grande saudade e uma enorme vontade de voltar logo que surja oportunidade.